.Radio Mais

.Veja no blog da Radio Mais


Sábado, 26 de Julho de 2014

Alimentos orgânicos e saúde

Alimentos orgânicos e saúde | ABC da Saúde 

Alimentos orgânicos e saúde
Nos últimos anos tem crescido o interesse e a procura pelos alimentos orgânicos. Muito disso é devido à preocupação sobre o impacto na saúde dos alimentos produzidos com a ajuda de substâncias químicas (pesticidas, reguladores de crescimento e fertilizantes minerais). Existe a noção empírica de que os alimentos orgânicos, além da vantagem de não conterem agrotóxicos, seriam mais nutritivos. Entretanto, as evidências científicas são divergentes quanto às possíveis qualidades nutricionais superiores dos alimentos orgânicos.
Com o objetivo de contribuir para o esclarecimento desta questão, pesquisadores de vários países realizaram um estudo em colaboração em que foi utilizada uma técnica estatística, chamada de meta-análise, que combina resultados compilados de estudos prévios sobre o assunto, o que aumenta a robustez das análises e resultados e, consequentemente, diminui as incertezas das conclusões.
Este trabalho foi recentemente publicado na revista cientifica British Journal of Nutrition, e se concentrou na quantificação de nutrientes comparando frutas, legumes e grãos produzidos com manejo orgânico com o manejo convencional, não orgânico. Foram analisados e processados estatisticamente os resultados de 343 estudos sobre componentes nutricionais de alimentos orgânicos.
Os resultados da meta-análise indicam que os alimentos produzidos com manejo orgânico apresentam uma quantidade significativamente maior de compostos antioxidantes, quando comparados com os alimentos de manejo convencional. Os antioxidantes (fenóis e polifenóis) são protetores naturais contra danos celulares produzidos pelo estresse oxidativo, o que diminui o risco de doenças inflamatória e crônico-degenerativas, como doença cardíaca, acidente vascular cerebral (derrame) e alguns tipos de câncer.
Os alimentos orgânicos, na ausência de pesticidas, produziriam mais antioxidantes para a defesa contra agressores. Os pesquisadores sugerem que o consumo de alimentos orgânicos aumentaria de 20 a 40 % a ingestão de antioxidantes, o que corresponderia a duas porções a mais de frutas e vegetais por dia.
Outro aspecto importante revelado pelo estudo é que o nível de agrotóxicos é quatro vezes maior nos alimentos não orgânicos. E, para surpresa dos pesquisadores, o nível de cádmio nos alimentos convencionais é duas vezes maior que nos alimentos orgânicos. O cádmio é um metal pesado tóxico que se acumula no organismo. É matéria-prima de algumas plantas industriais sendo utilizado na produção de vários artefatos do nosso dia-a-dia.
Apesar do seu aparente impacto, estes resultados devem ser analisados com certo cuidado. O fato dos alimentos convencionais possuíram mais cádmio e menos antioxidantes que os orgânicos não quer dizer que eles são prejudiciais à saúde. Os níveis de pesticidas contidos nos alimentos convencionais são muito mais baixos que as doses que causam algum problema em animais de laboratório. Por outro lado, o alto custo e a baixa oferta de alimentos orgânicos restringem muito o seu consumo pela população em geral.
Esses resultados não devem servir como um inibidor do consumo de frutas, legumes e grãos (sabidamente grandes promotores da boa saúde) produzidos de forma convencional, mas, sim, ampliar o debate na busca de soluções para o incremento da produção, distribuição e comercialização, e consequente barateamento, dos alimentos orgânicos.


Leia Mais: ABC da Saúde http://www.abcdasaude.com.br#ixzz38dwsTfIS 
(c) Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda 
Follow us: @abcdasaude on Twitter | ABCdaSaude on Facebook

publicado por radiomaisto às 22:21
link do post | comentar | favorito
| partilhar

Alimentos orgânicos e saúde

Alimentos orgânicos e saúde | ABC da Saúde 

Alimentos orgânicos e saúde
Nos últimos anos tem crescido o interesse e a procura pelos alimentos orgânicos. Muito disso é devido à preocupação sobre o impacto na saúde dos alimentos produzidos com a ajuda de substâncias químicas (pesticidas, reguladores de crescimento e fertilizantes minerais). Existe a noção empírica de que os alimentos orgânicos, além da vantagem de não conterem agrotóxicos, seriam mais nutritivos. Entretanto, as evidências científicas são divergentes quanto às possíveis qualidades nutricionais superiores dos alimentos orgânicos.
Com o objetivo de contribuir para o esclarecimento desta questão, pesquisadores de vários países realizaram um estudo em colaboração em que foi utilizada uma técnica estatística, chamada de meta-análise, que combina resultados compilados de estudos prévios sobre o assunto, o que aumenta a robustez das análises e resultados e, consequentemente, diminui as incertezas das conclusões.
Este trabalho foi recentemente publicado na revista cientifica British Journal of Nutrition, e se concentrou na quantificação de nutrientes comparando frutas, legumes e grãos produzidos com manejo orgânico com o manejo convencional, não orgânico. Foram analisados e processados estatisticamente os resultados de 343 estudos sobre componentes nutricionais de alimentos orgânicos.
Os resultados da meta-análise indicam que os alimentos produzidos com manejo orgânico apresentam uma quantidade significativamente maior de compostos antioxidantes, quando comparados com os alimentos de manejo convencional. Os antioxidantes (fenóis e polifenóis) são protetores naturais contra danos celulares produzidos pelo estresse oxidativo, o que diminui o risco de doenças inflamatória e crônico-degenerativas, como doença cardíaca, acidente vascular cerebral (derrame) e alguns tipos de câncer.
Os alimentos orgânicos, na ausência de pesticidas, produziriam mais antioxidantes para a defesa contra agressores. Os pesquisadores sugerem que o consumo de alimentos orgânicos aumentaria de 20 a 40 % a ingestão de antioxidantes, o que corresponderia a duas porções a mais de frutas e vegetais por dia.
Outro aspecto importante revelado pelo estudo é que o nível de agrotóxicos é quatro vezes maior nos alimentos não orgânicos. E, para surpresa dos pesquisadores, o nível de cádmio nos alimentos convencionais é duas vezes maior que nos alimentos orgânicos. O cádmio é um metal pesado tóxico que se acumula no organismo. É matéria-prima de algumas plantas industriais sendo utilizado na produção de vários artefatos do nosso dia-a-dia.
Apesar do seu aparente impacto, estes resultados devem ser analisados com certo cuidado. O fato dos alimentos convencionais possuíram mais cádmio e menos antioxidantes que os orgânicos não quer dizer que eles são prejudiciais à saúde. Os níveis de pesticidas contidos nos alimentos convencionais são muito mais baixos que as doses que causam algum problema em animais de laboratório. Por outro lado, o alto custo e a baixa oferta de alimentos orgânicos restringem muito o seu consumo pela população em geral.
Esses resultados não devem servir como um inibidor do consumo de frutas, legumes e grãos (sabidamente grandes promotores da boa saúde) produzidos de forma convencional, mas, sim, ampliar o debate na busca de soluções para o incremento da produção, distribuição e comercialização, e consequente barateamento, dos alimentos orgânicos.


Leia Mais: ABC da Saúde http://www.abcdasaude.com.br#ixzz38dwsTfIS 
(c) Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda 
Follow us: @abcdasaude on Twitter | ABCdaSaude on Facebook

publicado por radiomaisto às 22:21
link do post | comentar | favorito
| partilhar
Quarta-feira, 23 de Julho de 2014

11 sinais de que você pode estar com diabetes

Na maioria dos casos, a doença surge sem sintomas, mas sinais como sede excessiva e má cicatrização servem de alerta

Estima-se que no mundo 382 milhões sofram de diabetes. Se todos os pacientes com a doença formassem um país, ele teria uma população com quase o dobro da que tem o Brasil, a quinta nação mais populosa do mundo. Considerada epidemia mundial, a enfermidade está relacionada ao envelhecimento da população, ao sedentarismo, a dietas pouco saudáveis e ao aumento da obesidade.
Se continuar nesta toada, a tendência é que mais pessoas tenham diabetes. De acordo com a Federação Internacional de Diabetes (IDF), o número deve chegar a 592 milhões em 2035. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, estima-se que existam cerca de 11 milhões de portadores de diabetes - sendo que 3,5 milhões ainda não sabem que têm a doença.
Veja 11 sinais que indicam a diabetes:
Estima-se que no Brasil existam cerca de 11 milhões de diabéticos, sendo que 3,5 milhões não sabem que têm a doença. Foto: Thinkstock
1/12
A situação é tão preocupante que o Ministério da Saúde fez um apelo no ano passado para que a população brasileira mudasse alguns hábitos como seguir uma alimentação saudável, e praticar atividade física. 
Leia também: Musculação reduz risco de diabetes em mulheres, diz estudoConfira sete dicas para desconfiar se o seu filho possui diabetes
De acordo com a médica Rosane Kupfer, da diretoria da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), na maioria dos casos, o diabetes aparece de forma silenciosa, sem apresentar sintomas. Porém, quando a glicemia está muito elevada, o indivíduo pode apresentar muita sede, mais vontade de fazer xixi, emagrecer sem motivo aparente e outros sintomas como dores nas pernas, cansaço, câimbras, infecções genitais. “Se o paciente não for tratado, pode evoluir para quadros graves com desorientação, sonolência e até coma”, diz.
Saiba mais:Diabetes descontrolada é responsável por 80% das doenças da retinaEm idoso, remédio para diabetes pode causar mais efeito colateral que benefício
Rosane alerta que o recomendado é não esperar por sintomas e fazer todos os anos exames de sangue para controle da glicemia. “Principalmente se a pessoa passou dos 40 anos ou se tiver fatores de risco como história da doença na família, excesso de peso, sedentarismo, hábitos alimentares ruins, hipertensão, alterações em lipídeos ou se já tiver tido diabetes gestacional”, diz a médica.
Crianças também devem fazer exames que detectem a doença. O diabetes tipo 1 atinge mais crianças na faixa de 10 a 14 anos, mas pode ocorrer em qualquer idade. “O diabetes tipo 2 é uma doença que aparece com o envelhecimento. A partir de 50 anos, a incidência aumenta muito. Mas, com o aumento da obesidade em jovens, essa faixa etária tende a cair”, afirma Rosane
    Leia tudo sobre: diabetes • sintomas • insulina
    Noticia retirada do IG

    publicado por radiomaisto às 23:55
    link do post | comentar | favorito
    | partilhar

    11 sinais de que você pode estar com diabetes

    Na maioria dos casos, a doença surge sem sintomas, mas sinais como sede excessiva e má cicatrização servem de alerta

    Estima-se que no mundo 382 milhões sofram de diabetes. Se todos os pacientes com a doença formassem um país, ele teria uma população com quase o dobro da que tem o Brasil, a quinta nação mais populosa do mundo. Considerada epidemia mundial, a enfermidade está relacionada ao envelhecimento da população, ao sedentarismo, a dietas pouco saudáveis e ao aumento da obesidade.
    Se continuar nesta toada, a tendência é que mais pessoas tenham diabetes. De acordo com a Federação Internacional de Diabetes (IDF), o número deve chegar a 592 milhões em 2035. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, estima-se que existam cerca de 11 milhões de portadores de diabetes - sendo que 3,5 milhões ainda não sabem que têm a doença.
    Veja 11 sinais que indicam a diabetes:
    Estima-se que no Brasil existam cerca de 11 milhões de diabéticos, sendo que 3,5 milhões não sabem que têm a doença. Foto: Thinkstock
    1/12
    A situação é tão preocupante que o Ministério da Saúde fez um apelo no ano passado para que a população brasileira mudasse alguns hábitos como seguir uma alimentação saudável, e praticar atividade física. 
    Leia também: Musculação reduz risco de diabetes em mulheres, diz estudoConfira sete dicas para desconfiar se o seu filho possui diabetes
    De acordo com a médica Rosane Kupfer, da diretoria da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), na maioria dos casos, o diabetes aparece de forma silenciosa, sem apresentar sintomas. Porém, quando a glicemia está muito elevada, o indivíduo pode apresentar muita sede, mais vontade de fazer xixi, emagrecer sem motivo aparente e outros sintomas como dores nas pernas, cansaço, câimbras, infecções genitais. “Se o paciente não for tratado, pode evoluir para quadros graves com desorientação, sonolência e até coma”, diz.
    Saiba mais:Diabetes descontrolada é responsável por 80% das doenças da retinaEm idoso, remédio para diabetes pode causar mais efeito colateral que benefício
    Rosane alerta que o recomendado é não esperar por sintomas e fazer todos os anos exames de sangue para controle da glicemia. “Principalmente se a pessoa passou dos 40 anos ou se tiver fatores de risco como história da doença na família, excesso de peso, sedentarismo, hábitos alimentares ruins, hipertensão, alterações em lipídeos ou se já tiver tido diabetes gestacional”, diz a médica.
    Crianças também devem fazer exames que detectem a doença. O diabetes tipo 1 atinge mais crianças na faixa de 10 a 14 anos, mas pode ocorrer em qualquer idade. “O diabetes tipo 2 é uma doença que aparece com o envelhecimento. A partir de 50 anos, a incidência aumenta muito. Mas, com o aumento da obesidade em jovens, essa faixa etária tende a cair”, afirma Rosane
      Leia tudo sobre: diabetes • sintomas • insulina
      Noticia retirada do IG

      publicado por radiomaisto às 23:55
      link do post | comentar | favorito
      | partilhar
      Segunda-feira, 3 de Junho de 2013

      Você sabe quantos anos de vida pode ganhar por praticar atividades físicas?


      (Fonte da imagem: Thinkstock)
      Pesquisadores de Harvard determinam em quanto os exercícios podem aumentar a nossa longevidade.
      Você deve estar cansado de escutar que fazer exercícios faz bem para a saúde, não é mesmo? Contudo, embora inúmeros estudos tenham demonstrado que a prática de atividades físicas está relacionada à longevidade, nunca ninguém soube precisar quanto tempo de vida os esportistas “ganham” devido aos treinos — até agora!
      De acordo com uma notícia do site Harvard gazette, um estudo realizado por pesquisadores dessa universidade e do Instituto Nacional de Câncer dos EUA conseguiu determinar qual é a quantidade de anos que uma pessoa adepta a atividades físicas regulares ganha simplesmente por praticar exercícios.

      Longevidade garantida

      Os pesquisadores avaliaram dados de 650 mil pessoas, coletados durante um período médio de 10 anos. Esses indivíduos foram então divididos em diferentes grupos, considerando variáveis como os índices de massa corporal (IMC) e os níveis de atividade física. Os resultados apontaram que apenas 75 minutos semanais de caminhada rápida podem aumentar a longevidade entre indivíduos com mais de 40 anos em até 20 meses.
      O estudo também apontou que 450 minutos de caminhada rápida por semana, por exemplo, estão relacionados a um aumento da expectativa de vida em aproximadamente 4,5 anos, enquanto que 150 a 299 minutos semanais — ou seja, a quantidade mínima recomendada pelo governo federal dos EUA — podem aumentar o tempo de vida de pessoas com mais de 40 em 3,4 anos.
      Também de acordo com os pesquisadores, o ganho de tempo é proporcional à quantidade de exercícios praticados e se aplica a indivíduos que se encontrem dentro do peso normal, apresentem sobrepeso ou sejam obesos. Contudo, pessoas ativas e com peso saudável parecem levar a melhor nessa conta, ganhando até 7,2 anos de vida como prêmio.

      Noticia retirada do Megacurioso

      publicado por radiomaisto às 04:14
      link do post | comentar | favorito
      | partilhar

      Você sabe quantos anos de vida pode ganhar por praticar atividades físicas?


      (Fonte da imagem: Thinkstock)
      Pesquisadores de Harvard determinam em quanto os exercícios podem aumentar a nossa longevidade.
      Você deve estar cansado de escutar que fazer exercícios faz bem para a saúde, não é mesmo? Contudo, embora inúmeros estudos tenham demonstrado que a prática de atividades físicas está relacionada à longevidade, nunca ninguém soube precisar quanto tempo de vida os esportistas “ganham” devido aos treinos — até agora!
      De acordo com uma notícia do site Harvard gazette, um estudo realizado por pesquisadores dessa universidade e do Instituto Nacional de Câncer dos EUA conseguiu determinar qual é a quantidade de anos que uma pessoa adepta a atividades físicas regulares ganha simplesmente por praticar exercícios.

      Longevidade garantida

      Os pesquisadores avaliaram dados de 650 mil pessoas, coletados durante um período médio de 10 anos. Esses indivíduos foram então divididos em diferentes grupos, considerando variáveis como os índices de massa corporal (IMC) e os níveis de atividade física. Os resultados apontaram que apenas 75 minutos semanais de caminhada rápida podem aumentar a longevidade entre indivíduos com mais de 40 anos em até 20 meses.
      O estudo também apontou que 450 minutos de caminhada rápida por semana, por exemplo, estão relacionados a um aumento da expectativa de vida em aproximadamente 4,5 anos, enquanto que 150 a 299 minutos semanais — ou seja, a quantidade mínima recomendada pelo governo federal dos EUA — podem aumentar o tempo de vida de pessoas com mais de 40 em 3,4 anos.
      Também de acordo com os pesquisadores, o ganho de tempo é proporcional à quantidade de exercícios praticados e se aplica a indivíduos que se encontrem dentro do peso normal, apresentem sobrepeso ou sejam obesos. Contudo, pessoas ativas e com peso saudável parecem levar a melhor nessa conta, ganhando até 7,2 anos de vida como prêmio.

      Noticia retirada do Megacurioso

      publicado por radiomaisto às 04:14
      link do post | comentar | favorito
      | partilhar

      Você sabe quantos anos de vida pode ganhar por praticar atividades físicas?


      (Fonte da imagem: Thinkstock)
      Pesquisadores de Harvard determinam em quanto os exercícios podem aumentar a nossa longevidade.
      Você deve estar cansado de escutar que fazer exercícios faz bem para a saúde, não é mesmo? Contudo, embora inúmeros estudos tenham demonstrado que a prática de atividades físicas está relacionada à longevidade, nunca ninguém soube precisar quanto tempo de vida os esportistas “ganham” devido aos treinos — até agora!
      De acordo com uma notícia do site Harvard gazette, um estudo realizado por pesquisadores dessa universidade e do Instituto Nacional de Câncer dos EUA conseguiu determinar qual é a quantidade de anos que uma pessoa adepta a atividades físicas regulares ganha simplesmente por praticar exercícios.

      Longevidade garantida

      Os pesquisadores avaliaram dados de 650 mil pessoas, coletados durante um período médio de 10 anos. Esses indivíduos foram então divididos em diferentes grupos, considerando variáveis como os índices de massa corporal (IMC) e os níveis de atividade física. Os resultados apontaram que apenas 75 minutos semanais de caminhada rápida podem aumentar a longevidade entre indivíduos com mais de 40 anos em até 20 meses.
      O estudo também apontou que 450 minutos de caminhada rápida por semana, por exemplo, estão relacionados a um aumento da expectativa de vida em aproximadamente 4,5 anos, enquanto que 150 a 299 minutos semanais — ou seja, a quantidade mínima recomendada pelo governo federal dos EUA — podem aumentar o tempo de vida de pessoas com mais de 40 em 3,4 anos.
      Também de acordo com os pesquisadores, o ganho de tempo é proporcional à quantidade de exercícios praticados e se aplica a indivíduos que se encontrem dentro do peso normal, apresentem sobrepeso ou sejam obesos. Contudo, pessoas ativas e com peso saudável parecem levar a melhor nessa conta, ganhando até 7,2 anos de vida como prêmio.

      Noticia retirada do Megacurioso

      publicado por radiomaisto às 00:14
      link do post | comentar | favorito
      | partilhar

      Você sabe quantos anos de vida pode ganhar por praticar atividades físicas?


      (Fonte da imagem: Thinkstock)
      Pesquisadores de Harvard determinam em quanto os exercícios podem aumentar a nossa longevidade.
      Você deve estar cansado de escutar que fazer exercícios faz bem para a saúde, não é mesmo? Contudo, embora inúmeros estudos tenham demonstrado que a prática de atividades físicas está relacionada à longevidade, nunca ninguém soube precisar quanto tempo de vida os esportistas “ganham” devido aos treinos — até agora!
      De acordo com uma notícia do site Harvard gazette, um estudo realizado por pesquisadores dessa universidade e do Instituto Nacional de Câncer dos EUA conseguiu determinar qual é a quantidade de anos que uma pessoa adepta a atividades físicas regulares ganha simplesmente por praticar exercícios.

      Longevidade garantida

      Os pesquisadores avaliaram dados de 650 mil pessoas, coletados durante um período médio de 10 anos. Esses indivíduos foram então divididos em diferentes grupos, considerando variáveis como os índices de massa corporal (IMC) e os níveis de atividade física. Os resultados apontaram que apenas 75 minutos semanais de caminhada rápida podem aumentar a longevidade entre indivíduos com mais de 40 anos em até 20 meses.
      O estudo também apontou que 450 minutos de caminhada rápida por semana, por exemplo, estão relacionados a um aumento da expectativa de vida em aproximadamente 4,5 anos, enquanto que 150 a 299 minutos semanais — ou seja, a quantidade mínima recomendada pelo governo federal dos EUA — podem aumentar o tempo de vida de pessoas com mais de 40 em 3,4 anos.
      Também de acordo com os pesquisadores, o ganho de tempo é proporcional à quantidade de exercícios praticados e se aplica a indivíduos que se encontrem dentro do peso normal, apresentem sobrepeso ou sejam obesos. Contudo, pessoas ativas e com peso saudável parecem levar a melhor nessa conta, ganhando até 7,2 anos de vida como prêmio.

      Noticia retirada do Megacurioso

      publicado por radiomaisto às 00:14
      link do post | comentar | favorito
      | partilhar
      Quarta-feira, 8 de Maio de 2013

      História e ciência derrubam o mito das oito horas de sono


      Evidências sugerem que dormir durante 8 horas pode não ser a melhor maneira de descansar.
      Você sabe quantas horas deve dormir por noite? Normalmente, a recomendação é de oito horas, de preferência ininterruptas, certo? Mas você sabia que nem sempre foi assim?
      O historiador norte-americano Roger Ekrich, depois de 16 anos pesquisando documentos e referências históricas que remontam desde a antiguidade, apresentou um trabalho onde afirma que as pessoas costumavam dividir suas noites de sono em dois períodos de quatro horas.
      De acordo com os documentos que Ekrich encontrou — mais de 500 —, ele descobriu que o normal era de que as pessoas se deitassem duas horas após o pôr do sol. Depois de quatro horas, se despertavam, saiam para caminhar ou realizavam qualquer atividade durante uma ou duas horas, voltando a dormir por mais quatro horas, em um padrão de sono dividido em dois turnos.
      O que mais surpreendeu o historiador não foi o enorme número de referências a este padrão de sono, mas o fato de ser mencionado como algo absolutamente normal, como se essa fosse a maneira que todos dormiam.

      Descanso entre os sonos

      Durante o intervalo entre os turnos de sono, as pessoas costumavam ser muito ativas: era durante esse período que se levantavam para ir ao banheiro, fumar e até mesmo visitar os vizinhos; muitos permaneciam em suas camas lendo, conversando ou fazendo... Coisas mais interessantes com seus parceiros.
      O sexo durante esse intervalo, inclusive, era uma recomendação médica. Um manual do século 16 aconselhava os casais a praticarem sexo durante esse tempo, pois estariam mais descansados das atividades cotidianas, e ainda teriam tempo para descansar depois do ato.

      Fim do intervalo

      Você já percebeu que muitos de nós temos problemas de sono, acordando várias vezes durante a noite? Os cientistas sugerem que isso poderia estar relacionado ao novo padrão de sono imposto de oito horas ininterruptas, que seria antinatural. E mais: eles também sugerem que este padrão que nos foi forçado pode inclusive estar interferindo na capacidade natural que os humanos têm de regular o estresse.
      Antigamente, as pessoas utilizavam o intervalo entre os sonos para meditar e relaxar e, de acordo com os especialistas, não é uma surpresa que os níveis de estresse, ansiedade, depressão, alcoolismo e abuso de drogas tenham aumentado tanto na vida moderna.
      Portanto, se você é daqueles que se despertam no meio da noite, não se desespere. Tente encarar o sono como os nossos ancestrais, relaxando ou meditando um pouco. Quem sabe essa não seja mesmo a melhor forma de descansar.

      Noticia retirada do Megacurioso

      publicado por radiomaisto às 04:42
      link do post | comentar | favorito
      | partilhar

      História e ciência derrubam o mito das oito horas de sono


      Evidências sugerem que dormir durante 8 horas pode não ser a melhor maneira de descansar.
      Você sabe quantas horas deve dormir por noite? Normalmente, a recomendação é de oito horas, de preferência ininterruptas, certo? Mas você sabia que nem sempre foi assim?
      O historiador norte-americano Roger Ekrich, depois de 16 anos pesquisando documentos e referências históricas que remontam desde a antiguidade, apresentou um trabalho onde afirma que as pessoas costumavam dividir suas noites de sono em dois períodos de quatro horas.
      De acordo com os documentos que Ekrich encontrou — mais de 500 —, ele descobriu que o normal era de que as pessoas se deitassem duas horas após o pôr do sol. Depois de quatro horas, se despertavam, saiam para caminhar ou realizavam qualquer atividade durante uma ou duas horas, voltando a dormir por mais quatro horas, em um padrão de sono dividido em dois turnos.
      O que mais surpreendeu o historiador não foi o enorme número de referências a este padrão de sono, mas o fato de ser mencionado como algo absolutamente normal, como se essa fosse a maneira que todos dormiam.

      Descanso entre os sonos

      Durante o intervalo entre os turnos de sono, as pessoas costumavam ser muito ativas: era durante esse período que se levantavam para ir ao banheiro, fumar e até mesmo visitar os vizinhos; muitos permaneciam em suas camas lendo, conversando ou fazendo... Coisas mais interessantes com seus parceiros.
      O sexo durante esse intervalo, inclusive, era uma recomendação médica. Um manual do século 16 aconselhava os casais a praticarem sexo durante esse tempo, pois estariam mais descansados das atividades cotidianas, e ainda teriam tempo para descansar depois do ato.

      Fim do intervalo

      Você já percebeu que muitos de nós temos problemas de sono, acordando várias vezes durante a noite? Os cientistas sugerem que isso poderia estar relacionado ao novo padrão de sono imposto de oito horas ininterruptas, que seria antinatural. E mais: eles também sugerem que este padrão que nos foi forçado pode inclusive estar interferindo na capacidade natural que os humanos têm de regular o estresse.
      Antigamente, as pessoas utilizavam o intervalo entre os sonos para meditar e relaxar e, de acordo com os especialistas, não é uma surpresa que os níveis de estresse, ansiedade, depressão, alcoolismo e abuso de drogas tenham aumentado tanto na vida moderna.
      Portanto, se você é daqueles que se despertam no meio da noite, não se desespere. Tente encarar o sono como os nossos ancestrais, relaxando ou meditando um pouco. Quem sabe essa não seja mesmo a melhor forma de descansar.

      Noticia retirada do Megacurioso

      publicado por radiomaisto às 04:42
      link do post | comentar | favorito
      | partilhar

      .Visita

      contador de visitantes

      .mais sobre mim


      . ver perfil

      . seguir perfil

      . 1 seguidor

      .pesquisar

       

      .Outubro 2014

      Dom
      Seg
      Ter
      Qua
      Qui
      Sex
      Sab

      1
      2
      3
      4

      5
      6
      7
      8
      9
      10
      11

      12
      13
      14
      15
      16
      17
      18

      19
      20
      21
      22
      23
      24
      25

      26
      27
      28
      29
      30
      31


      .posts recentes

      . Alimentos orgânicos e saú...

      . Alimentos orgânicos e saú...

      . 11 sinais de que você pod...

      . 11 sinais de que você pod...

      . Você sabe quantos anos de...

      . Você sabe quantos anos de...

      . Você sabe quantos anos de...

      . Você sabe quantos anos de...

      . História e ciência derrub...

      . História e ciência derrub...

      .arquivos

      . Outubro 2014

      . Setembro 2014

      . Agosto 2014

      . Julho 2014

      . Junho 2014

      . Maio 2014

      . Outubro 2013

      . Setembro 2013

      . Junho 2013

      . Maio 2013

      . Abril 2013

      . Março 2013

      . Fevereiro 2013

      . Janeiro 2013

      . Dezembro 2012

      . Novembro 2012

      . Outubro 2012

      . Agosto 2012

      . Julho 2012

      . Junho 2012

      . Maio 2012

      . Abril 2012

      . Março 2012

      . Fevereiro 2012

      . Janeiro 2012

      . Dezembro 2011

      . Novembro 2011

      . Outubro 2011

      . Setembro 2011

      . Agosto 2011

      . Julho 2011

      . Junho 2011

      . Maio 2011

      . Abril 2011

      . Março 2011

      . Fevereiro 2011

      . Janeiro 2011

      . Dezembro 2010

      . Outubro 2010

      .tags

      . todas as tags

      .links

      .Noticia 1

      .Previsão do Tempo

      .as minhas fotos

      .subscrever feeds

      SAPO Blogs